Demissões por conta da pandemia afetam milhões de brasileiros

midia-indoor-wap-celular-tv-emprego-desemprego-carteira-de-trabalho-salario-trabalhador-assinada-formal-registro-previdencia-aposentadoria-operario-economia-indice-1453385742477_615x300

Como consequência da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, 53,5% das famílias brasileiras foram afetadas por demissões, suspensões de contratos ou cortes de jornada e de remuneração. Os dados são do levantamento do Ibre FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas).

Os resultados mostram que uma em cada cinco das famílias mais pobres, que possuem rendimentos até R$ 2.100,00, foi atingida pelo encerramento definitivo de contratos. A pesquisa, que foi realizada entre os dias 2 e 13 deste mês, revelou, também, que quase 13% dos lares já tiveram ao menos um familiar demitido. 

O corte de pessoal atingiu cerca de 45% das empresas que operam nos serviços e na construção, setores com mão de obra intensiva e, geralmente, de menor qualificação. No comércio, mais de um terço do total passou pelo mesmo e, na indústria, os cortes atingiram uma em cada quatro empresas. Com exceção de supermercados, são raros os setores que não foram afetados pela pandemia.

Os resultados apontam um freio na economia e uma expectativa baixa de que as atividades retornem ao normal em breve. A grande maioria dos 1.300 consumidores entrevistados, mesmo os de maior renda, se viu obrigada a cortar o consumo de bens e serviços ao estritamente essencial.

A pesquisa apontou, ainda, que cerca de 40% das empresas analisadas acreditam que tudo volte à normalidade no fim deste ano ou ao longo de 2021.

Com informações Sindicato dos Bancários da Bahia