Desmatamento da Amazônia cresce 171% em abril deste ano

image_processing20200519-30496-rk8ab3

Foto: Lunae Parracho/AFB

Em abril, o desmatamento da Amazônia registrou aumento de 171% comparado ao mesmo mês de 2019, o maior já visto nos últimos 10 anos, conforme levantamento feito pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia). O desmatamento registrado no período representa 529 km² de floresta derrubada, o que equivale aproximadamente ao território do município de Porto Alegre. 

O Pará está novamente no topo do ranking dos estados que mais desmatam, com 32% da área total desflorestada em abril. Com 26%, o Mato Grosso vem em seguida, depois Rondônia (19%), Amazonas (18%), Roraima (4%) e Acre (1%). Além disso, as terras indígenas são as mais atingidas pelo desmatamento e a população está entre as mais vulneráveis à Covid-19. A Funai confirmou mais de 350 casos de indígenas contaminados por coronavírus no Brasil, sendo mais de 20 somente no Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena) Yanomami, em Roraima.

Segundo Cristiane Mazzetti, uma das responsáveis pela Campanha da Amazônia da ONG Greenpeace, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) “implementou uma política antiambiental, que enfraqueceu órgãos de controle, seja reduzindo orçamento, seja afastando ou mudando posições estratégicas ou reduzindo o número de fiscalizações. Então, a capacidade de controlar o crime ambiental no Brasil ficou muito menor nesse governo”.

Com informações Sindicato dos Bancários da Bahia e Brasil de Fato