Trabalhadores de fundações autorizam sindicato a firmar acordo de PDV

20171211-assembleia-fundacoes-pdv_semapi

Em assembleia realizada na tarde de ontem, segunda-feira (11), trabalhadores das fundações estaduais em processo de extinção ligadas ao Semapi Sindicato avaliaram a proposta de desligamento apresentada pelo governo de José Ivo Sartori (PMDB). A maioria optou por autorizar o sindicato  a firmar acordo que, entre outras coisas, possibilita adesão ao Programa de Desligamento Voluntário (PDV), mas, paralelamente, continuar lutando para que as extinções não se confirmem.

A proposta encaminhada pelo governo, após reuniões de mediação no TRT-4, prevê um PDV para todos, exceto os empregados em comissão e os vinculados por contrato emergencial. O governo se compromete a pagar saldo de salário, férias vencidas e proporcionais indenizadas, décimo terceiro salário, aviso-prévio indenizado, multa de 40% sobre os depósitos de FGTS e indenização em valor equivalente a um salário para cada 4 anos de contrato de trabalho. Para os que não têm estabilidade reconhecida pela Procuradoria Geral do Estado (PGE), caso a liminar que os mantêm trabalhando seja cassada, há possibilidade de optar pelas mesmas condições do Programa na hora da demissão.

De acordo com o Semapi, a aprovação desta proposta não significa que as fundações estão extintas e, muito menos, que todas as pessoas irão perder seus empregos. Esta seria apenas uma alternativa para quem quiser sair.

Participaram da assembleia servidores da Fundação de Recursos Humanos (FDRH), Fundação Zoobotânica do RS (FZB), Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec), Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano (Metroplan) e a Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Na última sexta-feira, trabalhadores da Fundação Piratini aprovaram a mesma proposta.

Fonte: Sul21