Bancários de Pelotas e Região aprovam Assembleia Permanente

Bancários deliberam por Assembleia Permanente

Na noite desta quinta-feira (27), os bancários de Pelotas e Região aprovaram a Assembleia Permanente. Em assembleia, realizada na noite de ontem, quinta-feira (27), foram registrados 94,2% de votos favoráveis e 4,35% contrários, com 1,45% de abstenção.

A decisão foi tomada em função de nova rejeição, nas mesas de negociação, com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e com os bancos públicos. Os bancos insistem no reajuste zero, com abono de R$ 1.656,22 para este ano de 2020, condicionando a correção dos salários, pelo INPC, em 2021 (parcelado em duas vezes), à assinatura de um acordo de dois anos. Em relação ao aumento, em 2021, os bancos estão propondo 70% da inflação, pelo INPC, a partir de 1º de setembro, e os outros 30% em março de 2022.

Com a Assembleia Permanente, o processo de decisão e deliberação torna-se mais rápido, uma vez que fica dispensada a necessidade de publicação de edital e o cumprimento de prazos legais referentes a avisos, antecipados, para a convocação de uma nova assembleia on-line.

Conforme explica o diretor Rafael Silva, que é, também, funcionário do Banrisul, as negociações com os bancos estão cada vez mais difíceis. “Elas pioraram muito quando foi aprovada a Reforma Trabalhista, porque essa alteração, na Legislação, pôs fim à ultratividade, que garantia que os acordos permanecessem até a sua renovação. Como essa cláusula não existe mais, os banqueiros ganharam enorme vantagem”, ressalta.

Rafael explica, também, que, hoje, os bancos têm toda uma conjuntura política favorável. “Durante esse tempo de negociação, a Fenaban tem argumentado que o lucro dos bancos reduziu, em função da Pandemia e da crise econômica que o país atravessa. Embora tenha reduzido um pouco, os bancos seguem lucrando bem alto”, avalia.

Para ilustrar essa situação, o diretor do Sindicato usa o exemplo do banco no qual trabalha, o Banrisul, que conseguiu atingir um lucro de R$ 335 milhões no primeiro semestre deste ano. “Isso é muito. Em nosso estado, dezenas de pequenas e microempresas estão entrando em falência, mas o banco consegue manter esse lucro mesmo em um momento como o que estamos enfrentado”, compara. Somando os lucros do Bradesco, do Itaú, do Banco do Brasil e do Santander os bancos alcançaram, em seis meses, mais de R$ 24 bilhões de lucro, mas estão insistindo em propostas rebaixadas e reajuste zero para os bancários.

A negociação continua nesta sexta-feira (28), com possibilidade de se estender pelo final de semana e entrar em votação até mesmo no domingo (30).

Acompanhe a entrevista do diretor Rafael Silva para a RádioCom:

Seeb Imprensa Pelotas