Sindicato participa de lançamento do Manual da Economia Solidária em Pelotas

80519032018175435

O Sindicato dos Bancários se fez presente, ontem, segunda-feira (19), na UCPel, para o lançamento do Manual da Economia Solidária. A cartilha está sendo proposta pela Frente Parlamentar em Defesa da Economia Solidária da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, simbolizando a resistência dos movimentos sociais ao descaso do governo estadual com um tema de fundamental importância para todos os gaúchos.

De acordo com o deputado estadual, Zé Nunes (PT),  coordenador da Frente Parlamentar de Economia Solidária da Assembleia Legislativa, vivemos um momento de retrocessos em uma série de políticas importantes e a economia solidária também está sendo afetada. “Esse é um instrumento para se fazer economia onde trabalhamos, por princípio, com a autogestão. A ideia central é dar a oportunidade para que o próprio trabalhador possa gerir o seu negócio”, explica o parlamentar. A partir do lançamento do Manual, procura-se viabilizar o apoio do parlamento para a consolidação desta importante política pública no RS.

O deputado demonstrou preocupação com o descaso em relação ao tema e chamou à atenção para a dificuldade em discutir – e obter providências –  do governo Sartori, em apoio à Economia Solidária. “Vivemos um retrocesso muito grande, não só, aqui, no nosso estado, mas em todo o país. O atual governo não aplicou nenhum recurso na economia solidária. Mas, mesmo assim, os movimentos ligados à estruturação dessa política pública seguem resistindo bravamente”. Nunes conta que foi preciso mudar diversos trechos da Cartilha por ser denominada, pelo governo atual, como uma forma de “economia ideológica”. Ao avaliar esse posicionamento, o parlamentar questionou qual tipo de economia não seria ideológica.

Bancários apoiam a economia solidária

Há quatro anos o Sindicato faz parte de um dos Núcleos de Consumidores da Feira Virtual Bem da Terra, incentivando a prática de comércio justo e solidário na cidade de Pelotas.  A oferta de produtos é realizada pelos produtores da Associação Bem da Terra, juntamente com outros empreendimentos solidários da região, do estado e do Brasil. O consumo é organizado a partir da distribuição de consumidores em Núcleos como o do Sindicato.
A diretora do Sindicato, Raquel Oliveira, que esteve participando do lançamento do Cartilha, disse que o Sindicato apoia a economia solidária por compreender a importância de se trabalhar o princípio da solidariedade, na economia, incentivando grupos que representem iniciativas coletivas de geração de renda. “Diferente da economia tradicional, que se apoia na exploração do capital e coloca o lucro acima do interesse humano, a economia solidária subverte essa lógica e busca alternativas para o enfrentamento do modelo de economia adotado pelos atuais governos estadual e federal”, explica. A diretora do Sindicato faz referência aos crimes sociais, ambientais e trabalhistas que são decorrentes da política-econômica neoliberal, retomada com toda força após a chegada de Temer e sua base aliada ao poder.
Como participar do Núcleo?
Os bancários que quiserem participar do projeto devem se dirigir diretamente ao Centro de Distribuição, que fica localizado no Campus Santa Margarida (UCPel) – rua Anchieta, 1274. O encontro se dá por meio de uma oficina de acolhida, que ocorre todos sábados, às 10h.
Seeb Imprensa Pelotas
Foto: UCPel