Sobe arrecadação das loterias que Temer quer privatizar

wd_mega-sena_foto_wilson_dias30122015_12

A arrecadação da Caixa Econômica Federal com as loterias – que o governo Temer pretende privatizar – subiu no acumulado do ano. O montante, de R$ 9,97 bilhões entre janeiro e setembro, foi o maior dos últimos cinco anos, representando aumento de 28% em relação a 2012. E não se destina somente aos prêmios de apostadores, mas também financia ações nas áreas de saúde, previdência, assistência social, esporte, cultura, educação e segurança pública.

Mesmo com o excelente resultado, o governo pretende organizar um leilão para repassar a administração da Lotex, a loteria conhecida como “raspadinha”, para a iniciativa privada. Até julho, a estimativa era de que a concessão da Lotex poderia arrecadar R$ 4 bilhões, valor agora diminuído para R$ 2 bi.

De acordo com a Caixa, entre 2011 e 2016, as loterias arrecadaram R$ 60 bilhões, dos quais R$ 27 bi foram direcionados para o financiamento de projetos em áreas como cultura, esporte, bolsa de estudo e segurança pública.

Somente em 2016, as loterias operadas exclusivamente pela Caixa arrecadaram R$ 12,9 bilhões, dos quais R$ 4,8 bi foram transferidos para programas sociais. Desse total, 45,4% foram para a seguridade, 19% para o Fies, 19,6 % para o esporte nacional, 8,1% para o Fundo Penitenciário Nacional, 7,5% para o Fundo Nacional de Cultura e 0,4% para o Fundo Nacional de Saúde.

Em 2012, o total arrecadado ficou em R$ 7,8 bilhões. De lá para cá o crescimento foi de 28% e somente em setembro, foram gastos R$ 1,28 bilhão nessas apostas, aumento de 14,29% em relação a agosto.

No acumulado do ano, o repasse totalizou R$ 4,8 bilhões. Nos 12 meses de 2015, os recursos somaram R$ 7 bilhões; em 2014, 6,39 bilhões; em 2013, R$ 5,38 bilhões; e em 2012, R$ 4,89 bilhões.

Poupança

A captação líquida com poupança da Caixa também subiu e foi de R$ 1 bilhão em setembro. O valor é quase metade dos R$ 2 bilhões arrecadados em todo o ano de 2017. Entre janeiro e abril, os resultados estavam negativos. Mas a partir de maio, houve mudança com superávits chegando ao recorde do ano no mês de setembro.

Fonte: SEEB SP
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *