Já são 11 trabalhadores do Banrisul contaminados pela Covid-19, em Pelotas

banri

O surto de Covid-19, no Banrisul, em Pelotas, tem preocupado o Sindicato. Há pouco mais uma semana, noticiamos que sete trabalhadores do banco testaram positivo para a doença, em uma agência do centro da cidade. Agora, já são 10 contaminados somente nesta mesma agência. Os três casos mais recentes foram confirmados na última semana, sendo um deles gerente geral. Como também havia sido confirmado um caso no bairro Três Vendas, ao todo, já são 11 trabalhadores do banco contaminados na cidade.

Surto em agência do Centro

Os casos começaram a surgir na primeira semana de novembro, quando uma funcionária do banco passou a apresentar os sintomas da doença. A partir daí, o Banrisul fechou a agência para sanitarização e realizou os primeiros testes com todos os empregados, já que todos estavam tendo contato entre si. O resultado dos primeiros testes indicou a contaminação de mais seis pessoas: quatro bancários, um estagiário e uma funcionária da limpeza.

Na última semana, novos casos começaram a aparecer na mesma agência, situada, no centro da cidade. Um dos bancários, que havia testado negativo, apresentou sintomas e resolveu refazer o exame por conta própria. Na última quarta-feira (18), ele obteve o resultado positivo e o banco adotou, novamente, o mesmo protocolo: fechou a agência, realizou a sanitarização do local e refez os testes com os trabalhadores. Dessa última testagem mais dois bancários obtiveram resultado positivo.

Mudança de procedimento e aumento do fluxo de clientes

No início da pandemia, o Banrisul havia adotado o sistema de agendamentos para a realização de atendimento ao público. No entanto, há quase um mês, o banco resolveu adotar o chamado “atendimento híbrido”, no qual os funcionários precisam atender tanto os clientes agendados quanto a demanda que surge, na agência, diariamente. “Não se pode afirmar que esta mudança tenha sido decisiva para o aumento do número de casos, mas, ao mudar para o sistema de atendimento híbrido, foi necessário deslocar um funcionário para realizar a triagem com os clientes, na entrada do banco, o que aumentou o fluxo dentro da agência”, explica uma funcionária que não quis se identificar.

Embora o INSS tenha divulgado que as provas de vida estão suspensas, até o final deste mês de novembro, essa demanda também contribuiu para um aumento significativo de pessoas procurando por esse serviço. Atualmente, estão sendo realizadas em torno de 15 provas de vida por dia, nesta agência do centro da cidade.

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) fornecidos pelo Banrisul, hoje, são, basicamente, as máscaras, já que os protetores faciais não chegaram em quantidade suficiente para todos os empregados. Com essa carência, a decisão tomada, em conjunto, foi de que os protetores ficariam para os guardas e a pessoa que realiza a triagem, pois estão mais expostos à contaminação.

Uma atitude recente, do banco, em misturar as equipes, ignorando a política de revezamento dos funcionários, que estava vigorando até então, também pode ter contribuído para o aumento dos casos. “O banco deveria ter continuado fazendo revezamento, com duas equipes, e não misturando essas pessoas, já que o problema surgiu com o cruzamento dos dois grupos”, critica o diretor Rafael Silva, que é, também, funcionário do Banrisul.

Seeb Pelotas