Brasil supera 87 mil mortes por coronavírus; Bolsonaro é denunciado por genocídio

reprodução youtube

O Brasil registrou 24.578 novos casos confirmados de covid-19 ontem, domingo (26), com mais 555 mortes em 24 horas, segundo atualização divulgada pelo Ministério da Saúde. Com esses números, o país chegou a 87.0004 óbitos pela doença provocada pelo novo coronavírus.

Os dados da semana epidemiológica atual ainda não foram consolidados, mas o país registra mais de sete mil mortes por período há cinco semanas consecutivas, segundo as informações fechadas até 18/07. Nesta semana a Organização Mundial da Saúde relatou recordes de contaminações no mundo todo, quase metade nos Estados Unidos, Brasil e Índia.

Segundo o Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz, alguns estados brasileiros já começam a registrar uma nova onda de crescimento nos casos de síndrome respiratória aguda (SRAG), uma das principais complicações da covid-19. As informações, compiladas até 18/07, indicam que o número de novos casos semanais havia iniciado processo de queda, mas voltou a subir no Amapá, Maranhão, Ceará e Rio de Janeiro. Enquanto isso, outras unidades da federação ainda enfrentam a primeira onda da síndrome. É o caso de todos os estados da região Sul, além de Sergipe e Mato Grosso do Sul, por exemplo.

Bolsonaro denunciado em Haia

Neste domingo, o presidente Jair Bolsonaro foi denunciado pela segunda vez ao Tribunal Penal Internacional (TPI), de Haia, em razão da atuação diante da pandemia. A Rede Sindical Brasileira UNISaúde, formada por profissionais de saúde, acusa o ex-capitão de genocídio e crime contra a humanidade.

“A omissão do governo brasileiro caracteriza crime contra a humanidade – genocídio. É urgente a abertura de procedimento investigatório junto a esse Tribunal Penal Internacional, para evitar que dos 210 milhões de brasileiros, uma parcela possa se salvar das consequências desastrosas dos atos irresponsáveis do senhor Presidente da República”, afirmam os autores da denúncia.

Fonte: Sul21 Com informações do Brasil de Fato e da Revista Fórum.

Foto: Reprodução/Youtube