Governo ignora situação do programa Minha Casa Minha Vida

marrcelo seabra ag para

A crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus agravou a situação da população mais carente com contrato no programa Minha Casa Minha Vida para a Faixa 1 (tem renda de até R$ 1.800,00). Muitos mal têm condições de se manter nesse período e ainda correm risco de perder a moradia.

A suspensão do pagamento das parcelas do financiamento para as famílias com baixa renda, que varia entre R$ 80,00 a R$ 270,00 mensais, é uma cobrança da UNPM (União Nacional por Moradia Popular) há mais de três meses. Entretanto, o governo Bolsonaro não se posiciona e ignora a situação às solicitações do movimento. 

A vida ficou mais cara durante a pandemia para quem mais precisa de renda. Além de não conseguir cumprir os pagamentos do financiamento, a população está enfrentando dificuldade em se manter, pois os gastos com água, energia elétrica e gás aumentaram com as pessoas em casa. 

Alguns projetos de lei que visam suspender o pagamento das parcelas para os integrantes da Faixa 1 enquanto durar o estado de calamidade pública tramitam no Congresso Nacional. É o caso do PL 795/2020, que se arrasta há meses na Casa. O projeto proíbe a cobrança de juros e moras sobre as parcelas suspensas. Se aprovado, pode beneficiar 1.400 milhão de famílias. 

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia

Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará