Contraf-CUT cobra Saúde Caixa para todos e mais medidas preventivas da Caixa

15103214595e4588e5183a6

A CEE reconhece os avanços no tratamento a pandemia dentro do banco, mas busca melhorias

A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa se reuniu por videoconferência, na terça-feira (24), para organizar a pauta de reivindicações dos empregados diante das medidas que vem sendo tomadas pela Caixa, durante a pandemia do coronavírus (Covid19). A CEE cobra uma reunião com o banco para apresentar o documento.

O principal ponto é reiterar a cobrança de Saúde Caixa para todos. A Contraf-CUT, por intermédio da CEE/ Caixa, enviou um ofício, na quarta-feira (25), reivindicando que a Caixa inclua os novos trabalhadores, em sua maioria PCDs, no Saúde Caixa.

“Mais de dois mil empregados que foram contratados pela Caixa desde setembro de 2018 estão sem acesso ao Saúde Caixa. Não há tempo a perder. As próximas semanas serão decisivas para a contenção ou proliferação do vírus. Em suas funções diárias, em escritórios fechados e nas agências, interagindo com centenas de pessoas por dia, as chances de os trabalhadores adoecerem é muito alta”, afirmou Dionísio Reis, coordenador da CEE/ Caixa.

A CEE reconhece os avanços no enfrentamento a pandemia dentro do banco, como o fato de 70% das agências estarem em home office e, em muitas áreas, 100% dos empregados estarem em casa. “Para alcançar isso, precisamos pressionar dia após dia. Infelizmente, a empresa expôs muitos nesse processo e esperamos que situações de exposição dos trabalhadores e da população não se repitam por isso. Reiteramos a cobrança do agendamento por telefone para o atendimento, para que não haja filas”, explicou o coordenador.

A CEE reiterou, também, a cobrança do não descomissionamento e a suspensão da Reestruturação, dos processos administrativos e dos PSI. Também foi cobrado que não participem do rodízio nas agências pessoas que têm filhos em idade escolar e que moram com pessoas do grupo de risco. Outra reivindicação é disponibilizar canal para comunicar adoecimento mental e o Rodizio para todos, com obrigatoriedade de pelo menos uma semana em casa por empregado.

Com informações Contraf Cut