Bancários da Caixa adoecem com gestão de terror

IMAGEM_NOTICIA_3

A saúde dos empregados da Caixa tem sido afetada por conta do modelo de gestão que incentiva o assédio moral, o que contribui para o adoecimento em decorrência do trabalho. Infelizmente, a direção do banco negligencia os casos de transtornos mentais.

As entidades representativas apontam que o sentimento entre os trabalhadores é de tensão, incapacidade de relaxar, irritabilidade, inquietação, vontade de desistir de tudo e de que não vale a pena viver. Os empregados denunciam agressões verbais, ameaças de demissão, desvio de função, constrangimento público e metas abusivas. Práticas já conhecidas. 

Dados da pesquisa feita pelo movimento sindical são preocupantes. Mais da metade (53,6%) dos trabalhadores da Caixa afirmaram ter passado por, ao menos, um episódio de assédio moral, quase 20% dos ativos disseram ter depressão ou ansiedade. No caso dos aposentados, o índice é de 4%, e 19,6% buscam acompanhamento regular psicológico ou psiquiátrico. 

No levantamento recente da consultoria Mercer Marsh Benefícios, nenhuma das 611 empresas que participaram mostrou preocupação com modelos de gestão abusivos e políticas que acabam com a saúde do trabalhador. A pesquisa citou que os empregadores têm investido em ações paliativas, como salas de descompressão, meditação e massagens. 

É necessário que sejam criadas políticas de saúde preventivas e não quando o problemas está instalado e fora de controle. No Brasil, doenças psiquiátricas são terceira causa de afastamento do trabalho. Um ambiente saudável sem sobrecarga, assédio moral e sem medo de perder o emprego a todo momento seria o ideal. 

Fonte: SBBA