Itaú pagará PLR integral para mulheres em licença-maternidade

mae_com_bebe

Em comunicado interno, o Itaú informou que vai pagar a PLR integral para as mulheres em licença-maternidade, e não mais proporcional, como acontecia até então. Além disso, o banco informou que as trabalhadoras em licença-maternidade terão suas avaliações de performance baseadas somente no período trabalhado, sem contabilização do período de licença.

As mudanças informadas pelo banco são parte de um contexto de luta pela igualdade de oportunidades no setor financeiro, uma antiga bandeira do Sindicato. São mudanças que contribuem para se avançar na questão de igualdade de oportunidades, no Itaú, e refletem todo um debate levantado pelo movimento sindical junto ao banco sobre o tema.

Desde 2009, as bancárias, ao lado do Sindicato, conquistaram a licença-maternidade ampliada de seis meses, fundamental para o período de amamentação, para o vínculo afetivo entre mãe e bebê e no fortalecimento do sistema imunológico da criança. Também, em 2016, foi conquistada a licença-paternidade de 20 dias, mediante participação do bancário em cursos de paternidade responsável, o que proporciona que as responsabilidades com o bebê sejam compartilhadas de forma mais justa entre pais e mães.

O Itaú informou que as mudanças em relação à PLR e avaliação de performance de trabalhadoras em licença-maternidade passam a valer a partir do ciclo de meritocracia de 2018.

Com informações do Sindicato dos Bancários de SP

Foto: marmaladelane / Pixabay