Bolsonaro ataca fundos de pensão para beneficiar bancos

IMAGEM_NOTICIA_3

O governo Bolsonaro planeja mais um ataque contra os trabalhadores. O Ministério da Economia está em fase de desenvolvimento de um projeto que permite que participantes de fundos de pensão fechados portem investimentos para o sistema aberto, administrado pelos bancos. A ação ameaça R$ 550 bilhões mantidos pelos trabalhadores. 

De acordo com a reportagem divulgada pelo jornal Valor Econômico, o objetivo do governo seria fugir de “interferências políticas”. Uma verdadeira falácia. Na prática, o projeto, se aprovado, atenderia aos interesses dos bancos privados, há muito tempo de olho nos fundos de pensão, e causaria um prejuízo aos participantes. 

Dados do próprio governo derrubam a justificativa. Segundo o Relatório Gerencial de Previdência Complementar relativo ao 4º bimestre de 2021, de 2012 até agosto de 2021, os fundos tiveram rentabilidade média de 162,1% e cobram taxa de administração média de 0,27% ao ano para gerir o plano de previdência complementar do participante. 

Muito diferente dos planos abertos, administrados pelos bancos privados. No mesmo período, a rentabilidade média foi de 108,8%. Já a taxa de administração média é de 1,3% ao ano. Índice quase cinco vezes maior para entregar resultados muito menores. 

Em outras palavras, se tiver dinheiro administrado pela previdência aberta de um banco, o participante dos fundos de pensão fechados terá um patrimônio menor e um benefício de aposentadoria no mínimo 33% menor. 

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia (SBBA)