Na luta contra o racismo: movimento sindical debate visibilidade negra nos bancos

Design sem nome – 2021-11-26T110321.691

Último país do mundo a abolir a escravidão, em 1888, o Brasil ainda ostenta muita desigualdade racial, onde negros e brancos não encontram as mesmas oportunidades desde a escolarização até o mercado de trabalho. O racismo tem reflexo na vida como um todo do país. Nos bancos, por exemplo, as mulheres negras ganham 47% do que recebem os homens não-negros.  
 
Para debater essa realidade, na perspectiva de construção da igualdade e de promoção da diversidade nos bancos, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT) realizou, na última terça-feira (23), por videoconferência, um debate aprofundado sobre o racismo no Brasil e a inserção da população negra no mercado de trabalho do ramo financeiro. Foi durante o 6º Fórum Nacional pela Visibilidade Negra no Sistema Financeiro, que contou com a participação destacada da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), representada por Rachel Weber, diretora de Políticas Sociais. 
 
De acordo com a dirigente da Fenae, a edição 2021 do Fórum pela Visibilidade Negra foi um importante espaço de debate e formação para fazer avançar a participação da população negra no mercado de trabalho, traduzida em bons salários e trabalho com respeito e dignidade. “O momento é de resistência contra conservadorismo e retrocessos, para que negras e negros passem a ter acesso à ascensão profissional na Caixa e em outros bancos”, pontuou. A diretora de Políticas Sociais da Fenae endossou a moção de repúdio aprovada ao final dos painéis do evento, na qual os participantes do fórum contestam a política de racismo do governo Bolsonaro. 
 
Como a desigualdade entre negros e brancos está fortemente presente no setor financeiro, o encontro da Contraf/CUT discutiu a luta contra o racismo e seus reflexos no mercado de trabalho. A conjuntura do país foi analisada sob a perspectiva histórica das relações raciais, com recomendação para que o movimento sindical bancário faça o debate para conter o racismo no setor financeiro. Uma constatação se impõe: é premente reconhecer que qualquer debate entre trabalhadores passa por discutir o racismo. O Fórum Nacional pela Visibilidade Negra apontou que qualquer pauta, de reforma administrativa a questões tributárias, impacta trabalhadoras negras e trabalhadores negros, sendo praticamente impossível falar em democracia e justiça social com racismo. 
 
Foram debatidos exaustivamente temas como as dificuldades para inserção e ascensão profissional de negras e negros nos bancos, além da desigualdade salarial no setor. Os participantes do evento também repudiaram o genocídio da população negra e suas relações históricas, assim como falaram a respeito de ações afirmativas na luta contra o racismo na vida e no trabalho.  
 
O evento da Contraf/CUT concluiu que, para um ambiente bancário com igualdade de oportunidades para todos, é preciso corrigir a falha histórica da sociedade brasileira, no sentido de reparar a dívida social para com a população negra.