Modelo de gestão e custeio do Saúde Caixa é aprovado em Pelotas e Região

Design sem nome – 2021-11-01T102738.699

Na última sexta-feira, dia 29 de outubro, foi encerrada a assembleia que decidiu pela aprovação do novo modelo de custeio e gestão do Saúde Caixa. Em Pelotas e Região, 93,5% dos funcionários da Caixa disseram sim à proposta; 5,2% foram contrários e 1,3% se abstiveram. Devido à Pandemia, a assembleia se deu de forma virtual, pelo site do Sindicato, conforme edital publicado no último dia 26 de outubro.

O modelo de custeio aprovado não traz alterações nos princípios de solidariedade e no pacto intergeracional estabelecidos desde o início do Saúde Caixa. Também foi mantida a proporcionalidade do custeio entre os empregados (30%) e a Caixa (70%), limitado a 6,5%  da folha de pagamentos e proventos, devido a uma alteração realizada pelo banco em seu estatuto.

A alteração mais significativa é a autorização de cobrança de um valor extra na parcela de novembro de 2022 (quando é pago o 13º salário), para fazer frente à necessidade de aumento de arrecadação para cobrir os 30% dos custos do plano que são de responsabilidade dos empregados.

O novo modelo mantém o atual, com:

  • participação da Caixa no custeio das despesas assistenciais e administrativas de 70% do montante, limitada ao teto de 6,50%, o que for menor;
  • mensalidade do titular no valor de 3,5% da remuneração base e uma mensalidade adicional de 0,4% para cada dependente direto cadastrado no plano, limitado ao teto de 4,3% por titular;
  • mensalidade de 0,4% para cada dependente indireto;
  • tratamentos oncológicos e internações são isentos de coparticipação;
  • coparticipação para consulta em pronto socorro / pronto atendimento corresponderá ao valor fixo de R$ 75 (setenta e cinco reais);
  • teto anual de R$ 3.600,00 (três mil e seiscentos reais) por grupo familiar;
  • sem aumento nas mensalidades mês a mês, mas com a instituição de uma mensalidade extraordinária em novembro de 2022 sobre o 13º salário para atender a necessidade de aumento da arrecadação;
  • utilização da reserva técnica para evitar contribuições extraordinárias em caso de déficit;
  • manutenção do GT Saúde Caixa com maior acesso a relatórios, dados, acompanhamento de credenciamento e descredenciamento com vistas a dar suporte para a mesa permanente de negociações.

SEEB Pelotas e Região, com informações da Contraf-CUT