Fabiano Contarato rebate postagem homofóbica: ‘Orientação sexual não define caráter’

51534950752_be8cd1b5aa_k-1080×720

No início da sessão da CPI da Covid desta quinta-feira (30), o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) assumiu a presidência da comissão para responder a uma ofensa homofóbica publicada em postagem de rede social pelo depoente do dia, o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, acusado de disseminar notícias falsas durante a pandemia. Foi exibido o comentário homofóbico do empresário, feito em postagem publicada em rede social, atacando Contarato. “A mesma certidão de casamento que o senhor tem, eu também tenho. E aí fala em Deus acima de todos? O senhor não sabe a dor que eu sinto.”

“Eu queria que o depoente prestasse um pouco de atenção, por gentileza, porque eu tenho todo o respeito ao senhor, porque aprendi pelos meus pais – um motorista de ônibus e minha mãe semianalfabeta – , que a gente tem que respeitar as pessoas”, disse o parlamentar. “Aprendi, senhor Otávio, que a orientação sexual não define o caráter; que a cor da pele não define o caráter, que o poder aquisitivo não define o caráter. Eu aprendi isso. E fico muito triste, sabe por quê? Porque o senhor é o típico ser humano que passa uma imagem… E eu fico me colocando no lugar dos seus filhos; isso vai ficar registrado aqui no Senado Federal ad infinitum.”

Contarato ainda ressaltou a dificuldade em fazer o relato. “O senhor não sabe como é difícil me expor, expor minha família e meus filhos neste momento difícil. Mas é necessário isso para que outros não sofram o que estou sofrendo, porque se o senhor faz isso comigo, como senador da República, imagina no Brasil, país que mais mata a população LGBTQIA+“, apontou.

“Assim como Martin Luther King teve um sonho, eu também tenho um sonho. Sonho um dia em que não vou ser julgado pela minha orientação sexual. Sonho um dia em que meus filhos não serão julgados por serem negros. Sonho um dia em que minha irmã não será julgada por ser mulher e meu pai não será julgado por ser idoso”, disse ainda o senador.

O parlamentar pediu à Polícia Legislativa que apure o crime de homofobia. A CPI também encaminhou a denúncia ao Ministério Público Federal.

Fakhoury na mira da CPI

Os senadores da CPI da Covid aprovaram a quebra dos sigilos bancário, telefônico e telemático do empresário Otávio Fakhoury em um período que se inicia desde abril de 2020, e também teve acesso ao sigilo fiscal do empresário, desde 2018.

Já foram recebidos pelo colegiado documentos da Receita Federal e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Instituições como Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú Unibanco, Santander e Paypal encaminharam informações sobre o empresário.

Fonte: Sul 21, Com informações da Agência Senado