Quem manda é os bancos: STF valida autonomia do BC

imagem_materia

Com o peso da pressão do cartel dos bancos privados, o STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou a autonomia do Banco Central, na última quinta-feira (26/08). Puro interesse do mercado através do empurrão do presidente do BC, Roberto Campos Neto. O executivo trabalhou 18 anos no Santander. 

A autonomia do Banco Central vai significar entregar a política monetária do país. A definição dos juros básicos (Selic) de mãos beijadas aos interesses dos banqueiros e especuladores. Ou seja, a economia do país. Pela nova legislação, o presidente eleito em 2022 não terá influência sobre questões monetárias e os juros e não poderá demitir e escolher a direção do BC.

Ao aprovar a constitucionalidade da lei, o STF deu aos bancos o poder de interferir no preço da comida que vai para mesa da população, na política cambial e na de juros. Entregou a galinha dos ovos de ouro às raposas. 

Os ministros Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Cármem Lúcia, Gilmar Mendes e Luiz Fux votaram a favor da autonomia do Banco Central. Apenas Ricardo Lewandowski e Rosa Weber foram contra.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia (SBBA), com edição SEBB Pelotas e Região

Foto: Arquivo EBC