Diretor do Sindicato participa de live em comemoração aos 20 anos da RádioCom

Sem título

A RádioCom, 104.5 FM, de Pelotas, está consolidada entre os meios de comunicação da cidade. O projeto nasceu, há 20 anos, com as primeiras reuniões sendo realizadas na sede do Sindicato dos Bancários. O início não foi nada fácil. Historicamente as concessões de rádio, no Brasil, sempre serviram de moeda de troca para os governos de turno, com apadrinhamentos políticos, como na década de 1990, no episódio em que o governo Fernando Henrique (PSDB) conseguiu aprovar a reeleição, no Congresso.

O episódio é lembrado pelos pesquisadores Osvaldo Biz e Pedrinho Guareschi, no livro Mídia e Democracia, onde eles constatam que, até 1996, “foram autorizadas 1848 licenças de RTV, repetidores de televisão, sendo que 268 para entidades ou empresas controladas por 87 políticos, todos favoráveis à emenda da reeleição”.

Ao lembrar das dificuldades, o diretor do Sindicato, Roger Peres, que é também jornalista, ressalta que, esse contexto, fazia com que o projeto de uma emissora comunitária, mantida pelo movimento sindical, fosse apenas um sonho, mas, hoje, se tornou realidade.

“A forma como a mídia hegemônica sempre tratou os trabalhadores e criminalizou as nossas pautas fez com que a criação da rádio se tornasse estratégica. A RádioCom, portanto, é um acúmulo dos movimentos sociais. Desde a veiculação do programa Tribuna Sindical, em uma emissora comercial da cidade, até o momento desse passo à frente, com a criação de um veículo próprio. Por volta de 1998, estourou esse movimento, em todo país, de investir na comunicação comunitária. Daí por diante vários atores sociais foram se aproximando do projeto e, hoje, a emissora se consolidou como um movimento fortemente alicerçado na cultura local e nessa diversidade de vozes que vem da expressão popular”, explica o diretor do Sindicato e jornalista Roger Peres.

A também jornalista Maria Fernanda Passos, que participou das primeiras reuniões de fundação da rádio, enquanto ainda era estudante de Comunicação, lembra, ainda, que a juventude foi se aproximando da emissora, justamente por enxergar, neste ambiente, um espaço democrático de interpretação do mundo. Bem diferente do que ocorria com a mídia comercial, onde a linha editorial sempre esteve alicerçada no interesse privado.

“Quando eu encontrei a RádioCom eu me encontrei. E a partir desse contato eu encontrei pessoas que foram muito mais do que professores, em uma sala de aula. A formação, em comunicação, no meu caso, se deu muito em função da rádio, justamente por conhecer essas pessoas que, fora do ambiente da RádioCom, talvez não tivessem o reconhecimento merecido por toda a sua sabedoria. Isso porque a cultura popular é carregada por estigmas e preconceitos, mas a rádio acolhe e transforma”, complementa Maria Fernanda, que também esteve participando da live, nesta segunda-feira (7), ao lado de Roger e dos comunicadores da rádio, Régis Oliveira e Vanessa Silveira.

No sábado, dia 12 de junho, data em que a emissora completa 20 anos, será realizada uma live especial para comemorar as duas décadas de luta da RádioCom em defesa da democratização da comunicação.

Redação: Eduardo Menezes / SEEB Pelotas e Região