Anvisa autoriza uso emergencial de vacinas contra a covid-19 no Brasil

20200806-50137432221_9ba4c178af_o-1

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, por unanimidade, os pedidos de uso emergencial no Brasil das vacinas CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac, e AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford com a Fiocruz. A decisão ocorreu neste último domingo (17), durante reunião extraordinária da diretoria colegiada do órgão.

No dia 8 de janeiro, a Anvisa recebeu o requerimento de autorização em caráter emergencial para uso Coronavac, imunizante do laboratório chinês Sinovac produzido em parceria com o Instituto Butantan. No mesmo dia, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também entrou com pedido de autorização para uso emergencial da vacina de Oxford, desenvolvida pela empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

Ao longo da reunião, que teve início às 10h da manhã e término às 15h, a vacina do consórcio Oxford/AstraZeneca e a CoronaVac tiveram uso emergencial recomendado, com ponderações, pela área técnica da Anvisa. Os técnicos confirmaram a eficácia global do imunizante da Oxford/AstraZeneca em em 70,42% e que a CoronaVac possui uma taxa de sucesso na prevenção da doença em relação ao grupo que tomou placebo (medicamento inócuo) que atingiu 50,39%. 

Após a recomendação técnica, a diretora do órgão e relatora dos pedidos dos imunizantes, Meiruze Sousa Freitas, votou pela aprovação da AstraZeneca e da CoronaVac, porém com ressalvas para a vacina do Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac. Os diretores Romison Rodrigues Mota e Alex Machado Campos também votaram a favor do uso emergência. Com isso, a votação atingiu a maioria e garantiu a aprovação das vacinas.

A decisão da Anvisa passa a valer a partir que o Diário Oficial da União realizar a publicação da aprovação, o que deve ocorrer neste domingo (17). Conforme informou ao longo da última semana, o Ministério da Saúde pretende começar a vacinação ainda nesta semana.

No momento, o Instituto Butantan já possui 10,8 milhões de doses da CoronaVac disponíveis para aplicação. Já a Fiocruz ainda aguarda o imunizante AstraZeneca que ainda não possui data prevista para vir da Índia.

A vacina Coronavac utiliza vírus inativado, uma tecnologia segura e que conta com domínio histórico de manipulação pelo Instituto Butantan. Os estudos conduzidos no Brasil contaram com 13 mil voluntários em oito estados. A vacina funciona com a aplicação de duas doses com 14 dias de intervalo.O imunizante do consórcio Astrazeneca/Oxford é capaz de, com apenas uma dose, a vacina alcançar 73% de eficácia e proteger contra o surgimento de sintomas graves. A vacina também evita, em 100%, os casos de hospitalização e consegue induzir a produção de anticorpos em 98% das pessoas após a primeira dose e, em 99% delas, após a segunda dose.

Sul 21, com informações da Agência Brasil e do UOL

Foto: Governo do Estado de São Paulo