Fiocruz pretende começar imunização com vacina de Oxford até março de 2021

Design sem nome (29)

Nísia Trindade, presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), afirmou na última segunda-feira (2) que a vacinação contra o coronavírus com a medicação desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca deve iniciar no Brasil até o fim do primeiro trimestre de 2021. A expectativa da entidade é dar início à produção da vacina em janeiro ou fevereiro.

A Fiocruz colaborou com a última fase de testes clínicos do imunizante, que teve milhares de voluntários testados no Brasil. De acordo com Nísia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) irá acompanhar todo o processo. A Fiocruz estima entregar 265 milhões de doses da vacina à população brasileira.

O acordo de cooperação para produção da vacina britânica foi anunciado pelo governo brasileiro no fim de julho e envolve, portanto, o Ministério da Saúde. A postura do governo Jair Bolsonaro, no entanto, levanta muitas dúvidas sobre como se dará o processo no Brasil e faz com que vários estados procurem soluções próprias para a questão.

O presidente defende que a vacinação contra o coronavírus não deva ser obrigatória. Também já se posicionou contra a aquisição da vacina chinesa, a Coronavac, que o governo de São Paulo pretende aplicar na população ainda em dezembro ou no início de janeiro. Os governos da Bahia e do Paraná, por sua vez, negociam com a Rússia a aquisição de lotes da vacina Sputnik V, que também poderiam chegar no começo do próximo verão.

Fonte: Sul21, com informações da Exame e da Revista Fórum / edição Seeb Imprensa Pelotas

Arte: Seeb Pelotas