Pandemia agrava violência contra as mulheres em todo o Brasil

Design sem nome (75)

Em comparação com o mesmo período do ano passado, o primeiro semestre de 2020, marcado pela nova realidade imposta pela pandemia do coronavírus, foi marcado por um aumento no número de feminicídios no país, assim como de outras mortes violentas.

Em todo o Brasil, no primeiro semestre de 2019 foram registrados 636 feminicídios. No mesmo período de 2020, foram contabilizados 648 casos. No Rio Grande do Sul, o aumento foi de 24,4%: de 41, registrados entre janeiro e julho do ano passado, para 51, neste ano.

Os dados estão no mais recente Anuário Brasileiro de Segurança Pública, elaborado pela equipe de pesquisadores do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no qual constam dados comparativos entre 2019 e 2018, assim como os do primeiro semestre de 2020, que foram incluídos em um esforço de já se começar a analisar de que forma a pandemia impactou a violência no país.

O Rio Grande do Sul aparece como um dos estados com maior índice de lesão corporal dolosa (com 10.692 em 2019 e 9.728 em 2020), atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. No registro de ameaças, o estado aparece em terceiro, mesmo com uma redução de 15,9% este ano: foram 35.144 em 2019 e 29.565 em 2020, ficando atrás apenas de Minas Gerais e do Paraná. Em termos de feminicídios, aparecem na frente do RS os estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia.

Fonte: Sul 21, com edição Seeb Imprensa Pelotas

Arte: Seeb Pelotas