Pandemia altera cenário de negociação coletiva

engin-akyurt-KtYvqysesC4-unsplash

A pandemia de Covid-19 provocou mudanças em diversos áreas, inclusive no mundo do trabalho. A crise alterou o contexto da negociações coletivas. Segundo levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), no primeiro semestre, a maioria das cláusulas negociadas envolvia o novo coronavírus. 

A maior parte dos acordos menciona a Medida Provisória 936, que virou a lei 14.020. Entre março, quando a pandemia começou, até junho, foram registrados 7.398 instrumentos coletivos no Sistema Mediador, base de dados do Ministério da Economia. Do total, 55% tiveram cláusulas relacionadas ao coronavírus.

Temas que envolvem a MP 936, como a redução de salário e jornada, além da suspensão temporária de contrato, e o home office, foram predominantes. 

Ainda de acordo com o Dieese, a maior parte dos acordos com cláusulas sobre a Covid-19 foi negociada pelo setores dos serviços (43%) e da indústria (41%). Por outro lado, a MP 396 foi mais debatida nos instrumentos coletivos dos metalúrgicos, comerciários e trabalhadores nos transportes.

Fonte: Sindicato dos Bancários da Bahia