Banco do Brasil: saúde é tema de negociação na sexta-feira 14

saude_banco_do_brasil sp bancarios

Bancários querem discutir as condições que geram um ambiente de trabalho extremamente adoecedor e situação dos planos de saúde

A terceira mesa de negociação entre a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e o banco para debater a pauta específica de reivindicações para o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos funcionários, no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2020, será realizada nesta sexta-feira 14, a partir das 10h. O tema será saúde e condições de trabalho. 

“Saúde é um tema central desta campanha, não só por causa da pandemia do coronavírus, mas também porque é um debate que permeia a vida dos bancários, que trabalham para um dos setores que mais causam adoecimentos, e que sempre resulta em embate entre as duas partes da negociação”, ressalta João Fukunaga, coordenador da CEBB.

“Precisamos debater a pressão excessiva por metas abusivas que sempre foi um problema gerador de adoecimentos, e que se tornou ainda mais grave neste momento de pandemia”, acrescenta. 

Dados do INSS comprovam que a categoria bancária é uma das que mais adoece por conta do trabalho. Entre 2009 e 2013, houve um aumento de 40,4% no total de benefícios concedidos aos bancários, enquanto que para as demais categorias profissionais o crescimento foi de 26,2%. 

Ainda segundo dados do INSS, de 2009 a 2018 mais da metade (56%) dos afastamentos de bancários foram reconhecidos como doença do trabalho, sendo as mais comuns: depressão, ansiedade, estresse e as LER/Dort. As doenças psicológicas foram progressivamente tornando-se prevalentes; de 2013 em diante, passaram a ser maiores que as Ler/Dort.

Segundo o Observatório de Saúde do Trabalhador, do Ministério Público do Trabalho, a incidência das doenças mentais e tendinites entre bancários é no mínimo de 3 a 4 vezes maior que a da maioria da população. O que demonstra que o fator trabalho é crucial para essa incidência.

Entre 2012 e 2017 os bancos foram responsáveis por apenas 1% dos empregos criados no país, mas por 5% dos afastamentos por doença, ainda segundo o Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

Além deste cenário comprovadamente adoecedor, o Banco do Brasil oferece diferentes planos de saúde para os seus funcionários. Ao invés de unificar, passou a ter vários convênios médico por causa dos bancos incorporados. 

Fonte: SP Bancários

Imagem: SP Bancários