Banco do Brasil discrimina funcionários na testagem do novo coronavírus

marcelo camargo agencia br

Banco do Brasil discrimina funcionários na testagem do novo coronavírus

Testes do novo coronavírus estão sendo aplicados de forma diferenciada no Banco do Brasil, de acordo com denúncias do Sindicato dos Bancários de Brasília publicadas pela Contraf-CUT. Altos executivos da instituição recebem testagens periódicas, enquanto que o BB dificulta testes para os funcionários da linha de frente, que atendem o público nas agências, de acordo com a denúncia.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, Kleytton Morais, exige que todos os trabalhadores bancários, inclusive os terceirizados, tenham direito ao teste. “O banco dificulta a implementação da testagem dos trabalhadores que atuam na linha de frente, que se expõem ao risco de contaminação pelo novo coronavírus, mas oferece, segundo as denúncias, testagem periódicas a altos executivos da sede administrativa, no Edifício da 201 Norte, em Brasília”, afirmou o dirigente.

A diferença nas testagens entre os funcionários do banco é considerada um absurdo pela presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira. “Vamos cobrar do Banco do Brasil isonomia de tratamento. Não admitimos que o banco valorize e proteja os executivos e deixe os trabalhadores que se arriscam na linha de frente todos os dias sem a política dos testes”, disse Juvandia.

Morte

A testagem precária no Banco do Brasil pode ter provocado sua primeira vítima fatal. Um trabalhador terceirizado, garçom que atuava junto à presidência do BB, morreu após ter contraído o vírus. Denúncias recolhidas pelo sindicato local dão conta de que executivos em distintas áreas do BB, como governo, tecnologia e secretaria executiva, vice–presidentes, diretores e, inclusive, um assessor especial da presidência do banco testaram positivo para Covid–19.

Também causou pânico entre os funcionários do banco o comunicado em que se determina que o “funcionário com autodeclaração de coabitação (com pessoas que fazem parte de grupos de risco da Covid-19) passa a se enquadrar nas formas de trabalho disponíveis, como os demais funcionários do banco que não pertençam ao grupo de risco”. Esses funcionários devem retornar ao trabalho presencial no próximo dia 27.

Outra crítica à direção do banco, feita pelo Sindicato dos Bancários de Brasília, é referente ao que foi considerada como uma postura irresponsável, materializada na conduta pública que o presidente do banco, entre outras, adota ao desprezar o uso de máscara. A postura se manifestou em reuniões ministeriais do governo Bolsonaro e de trabalho dentro das dependências do BB. Para o sindicato, trata-se de um comportamento ideológico e irresponsável que acaba incentivando outros altos executivos a seguirem a mesma linha, pondo em risco a vida e saúde de todos.

Fonte: SP Bancários

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil