Santander: empregados do RS definem pautas para a Campanha Nacional

12648_FD_1594305892

Encontro Estadual ocorreu por videoconferência e contou com 50 delegados e delegadas

Representantes dos empregados e empregadas do Santander do Rio Grande do Sul se reuniram, na última quarta-feira (8), no seu Encontro Estadual, por videoconferência. Foram debatidas, por um quorum de 50 bancários e bancárias, as metas abusivas e pressão por resultados, a comunicação com a base, a pandemia, o home office e o Banesprev.

O diretor de Comunicação da Fetrafi-RS e empregado do Santander, Juberlei Bacelo, apresentou um panorama das negociações do Comando Nacional até o momento e dos objetivos da Campanha Nacional 2020. Segundo ele, os bancos foram “empurrando com a barriga” a proposta de prorrogação do Acordo Coletivo até dezembro de 2020 e a decisão acabou nas mãos do presidente Jair Bolsonaro, que vetou a prorrogação proposta pelo Senado na votação da MP 936.

“Isso significa que até o fim de agosto teremos que ter um novo acordo negociado”, esclareceu. “Vamos enfrentar uma campanha bastante difícil. Com a pandemia agravando a situação econômica mundial, vamos sofrer esses impactos”, destacou, lembrando que o Santander descumpriu o acordo feito com o Comando Nacional de não demitir empregados durante a pandemia.

Os principais temas da Campanha, segundo Bacelo, são a garantia do emprego, a manutenção dos direitos da categoria e a regulamentação do teletrabalho, uma vez que os bancos vêm transferindo os custos do trabalho aos empregados, que precisam usar equipamentos e mobiliário próprio, custear telefone, energia elétrica, internet e todas as demais despesas para trabalhar em casa. “O Comando Nacional vai chamar para si a campanha de denúncias contra o Santander, porque o banco tem mostrado que a sua principal preocupação é com o lucro e não com a vida das pessoas”, concluiu.

Saúde dos bancários e bancárias

O representante do Estado na Comissão de Organização dos Empregados (COE) Santander, Luiz Cassemiro, enfatizou a importância do engajamento na Campanha Nacional e listou uma série de denúncias que vem recebendo de colegas. Segundo ele, entre outras questões, é preciso cobrar dos gestores nas agências que cumpram o protocolo para a Covid-19. “Em Porto Alegre estão subindo muito os casos de Covid nas agências. Tanto aqui, quanto no interior, precisamos cobrar o cumprimento dos protocolos”, frisou.

Segundo o secretário de Saúde da Contraf-CUT, Mauro Salles, o tema da saúde terá mais destaque do que nunca na campanha deste ano. O objetivo é tentar conseguir o máximo de regulação possível a respeito da pandemia, colocando as medidas em cláusulas claras. Ele também destacou o alto nível de adoecimento mental da categoria por conta da cobrança por metas, chegando a superar os casos de LER/DORT, segundo dados da Previdência.

Para Cassemiro, a comunicação é fundamental na hora de informar os colegas sobre seus direitos com relação à pandemia, a obrigatoriedade do uso de máscaras no trabalho para proteção pessoal e dos outros temas que vêm sendo debatidos com os bancos. Sobre as metas, ele lembrou que o Santander justificou demissões com o argumento da baixa performance. “É um absurdo falar em performance em uma época na qual é impossível atingir as metas impostas pelo banco”, enfatizou.

Banesprev

O secretário de comunicação da CUT-RS e empregado do Santander, Ademir Wiederkehr, falou sobre o novo plano de previdência do Banesprev e o quanto ele é prejudicial aos empregados do Santander. Informou que a 75ª Vara da Justiça do Rio de Janeiro concedeu liminar ao Sindicato dos Bancários daquele estado que anula a proposta unilateral do Santander para que os segurados migrem para o novo plano.

Segundo matéria publicada no site do SindBancários Porto Alegre e Região, a liminar impede o Santander de apresentar quaisquer outras propostas unilaterais sem considerar o grupo técnico que deveria ter sido instituído, conforme Termo de Compromisso assinado, mas que o banco não fez, tomando a decisão sem a participação das partes interessadas.

Entretanto, conforme Wiederkehr, o Banesprev desrespeita a liminar e mantém, em seu portal na internet, um vídeo no qual fala sobre as suspostas “vantagens” em migrar para o novo plano. “Recomendamos aos empregados do Santander que não migrem de plano antes de qualquer negociação do banco com o movimento sindical”, enfatizou.

Fonte: Fetrafi RS

Foto: Reprodução/Fetrafi RS