UNI Global faz campanha para parar demissões do Santander no Brasil

systemuploadsnewsa2b793b6f6d9c5a83d0-700x460xfit-6fc8b

Brasil é o único país onde o banco demite em plena pandemia

O Santander demitiu, desde o último dia 6 de junho, mais de 400 trabalhadores e trabalhadoras. O Brasil é o único país, entre diversos em que o banco está instalado, que a direção está promovendo demissões em plena pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Na última reunião entre sindicalistas e a direção do banco, na última quarta-feira (1), não houve acordo para parar as demissões porque a instituição se recusa a abrir negociações, e disse que não estava fazendo nada demais, apenas remanejamentos necessários, como se a vida dos trabalhadores fosse descartável.

“Além de não querer discutir as demissões, o Santander tem cobrado metas absurdas, como se nenhum cliente estivesse em dificuldade financeira nesta crise sem precedentes, e tivesse dinheiro à disposição para adquirir produtos financeiros”, critica Rita Berlofa, presidente da UNI Finanças Mundial, que representa mais de 3 milhões de trabalhadores bancários e de seguros, em mais de 237 sindicatos no mundo.

 “Se sobrevivermos à Covid os trabalhadores vão sair doentes da quarentena pela pressão absurda que estamos enfrentando”, diz Rita, que também é funcionária do Santander.

No mês passado, o jornal Folha de São Paulo publicou informação de que o banco demitiria 9 mil trabalhadores, que representam 20% do seu quadro funcional.  O Santander chegou a negar a informação, mas já havia dado início às demissões.  

Para alertar os trabalhadores em todo o mundo sobre o tratamento dado aos brasileiros e tentar impedir as demissões, a UNI Global Union, sindicato global que representa 20 milhões de trabalhadores em 150 países, lançou uma campanha internacional.

No texto do abaixo-assinado online, a UNI lembra que o banco se comprometeu a não demitir durante a pandemia de coronavírus, mas que mesmo assim está quebrando o acordo firmado com o Comando Nacional dos Bancários.

Rita Berlota reforça o pedido para que a população brasileira assine o documento e explica que o texto, mesmo sendo em inglês, pode ser preenchido em português. No campo ‘Union’, que significa sindicato, caso a pessoa não seja filiada a nenhuma entidade sindical, pode preencher como Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo (SEEB-SP).

Clique aqui para assinar a campanha em português.

Clique aqui para assinar a campanha em inglês.

Fonte: CUT

Imagem: Linton Publio