Com recorde de 150 enfermeiros mortos por Covid, Brasil tem risco de colapso no sistema de saúde

Movimentação de idosos no posto da 612 Sul para Vacinação contra Influenza

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Especialistas dizem que pandemia entre enfermeiros traz risco de serviços de saúde se tornarem “epicentros de surtos locais”

Linha de frente no combate ao coronavírus, os enfermeiros estão sendo as maiores vítimas da doença no Brasil, que registrou o recorde mundial de 150 profissionais da área mortos e 16.660 contaminados na última segunda-feira (26). No total, até o momento, o país registra 24.152 mortos e 391.222 casos da Covid-19, segundo dados do dia 26 de maio.

O grupo que assessora o Ministério da Saúde, composto por infectologistas da USP, Unifesp e Fiocruz, alertam que “o impacto da pandemia nos profissionais” traz o risco de que os serviços de saúde “se tornem epicentros de surtos locais” e que há possibilidade de “colapso” no sistema.

O conselho pede prioridade no atendimento a profissionais infectados, para rápido retorno ao trabalho, e quer que enfermeiros que façam parte do grupo de risco sejam afastados da assistência direta a pacientes, monitoramento diário em relação a sintomas e treinamento no uso de equipamentos de proteção.

As informações são da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo desta quarta-feira (27).