Home office vira moeda de troca para entrega de metas no Santander

troca-de-moedas-taxa-de-cambio

Gestor do Quarteirão de Investimentos transformou o trabalho em home office em prêmio para quem bater metas

O que deveria ser uma precaução pensando na saúde dos trabalhadores por conta da pandemia de coronavírus tem sido usado como moeda de troca no Santander. Isso porque gestor do Quarteirão de Investimentos condiciona a permanência dos bancários em home office à cobrança abusiva de metas: quem não cumpri-las, terá de voltar ao trabalho presencial.

Enquanto as cobranças acontecem até mesmo de forma pública, em grupos de Whatsapp, expondo rankings de equipes para todos, ainda há o constrangimento individual feito por vídeo.

“Querem que quem está trabalhando em home office entregue 150% da meta, sofrendo ameaças diariamente de que, se não cumprirem a meta, eles voltarão ao trabalho no prédio, mesmo em meio à pandemia de coronavírus”, conta o funcionário do Santander, André Camarozano.

Além disso, os bancários relatam que os sistemas internos do banco estão lentos e que a situação caótica do país dificulta a entrega das metas, já que neste momento as pessoas estão preocupadas com sua saúde, e não em comprar serviços financeiros.

Já houve notificação ao RH do banco, quanto ao assédio e à cobrança abusiva de alguns gestores que insistem em descumprir a recomendação do próprio banco. A reivindicação é de que as metas sejam suspensas e que haja apenas atendimento de serviços essenciais, porém, até agora, tal pedido não foi atendido. Em reunião com a Fenaban e os sindicatos, o Santander assumiu o compromisso de que haveria razoabilidade nas cobranças, mas nem isso vem sendo cumprido.

Celulares pessoais 

Outra reclamação tem sido a exigência de ceder os contatos pessoais de celular para clientes. Embora o sistema de notebook bloqueie ao final da jornada, a demanda de clientes permanece ao final da mesma no Whatsapp, se estendendo até aos finais de semana, o que fere a legislação, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e, principalmente, a intimidade do trabalhador.

Com informações SP Bancários

Imagem: Freepik