Garantia de empregos no Itaú e Santander

Captura de Tela 2020-03-25 às 09.19.04

Negociação coletiva já possibilitou que mais de 200 mil bancários fossem liberados para o trabalho em casa (home office), assim como todos que fazem parte dos grupos de risco liberados e as gestantes, dentre outras conquistas

Em reunião por videoconferência realizada nesta terça-feira (24), o Comando Nacional dos Bancários debateu sobre as respostas dadas pelos bancos a partir das reivindicações da categoria e avaliou a situação após as medidas já implantadas após cobrança do movimento sindical.

Os bancos Itaú e Santander informaram ao Comando Nacional dos Bancários que acataram a reivindicação e que não demitirão trabalhadores enquanto a pandemia gerada pelo novo coronavírus (COVID-19) não for dissipada.

Trabalho em casa

Os bancos aceitaram liberar grande parte dos trabalhadores para trabalhar de suas casas, em sistema home office. Em todos os bancos, os funcionários do grupo de risco e gestantes, estão em casa. Esta é mais uma vitória da negociação coletiva.  Mais de 200 mil trabalhadores já foram liberados para trabalhar em casa. Com a garantia da manutenção dos salários e dos direitos.

Outras conquistas

Além de liberar trabalhadores para trabalhar em casa, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil anunciaram que vão manter apenas os serviços essenciais e que o atendimento presencial apenas das pessoas que não têm como usar outro meio, de modo a garantir a sobrevivência dos usuários e clientes.

Santander, Itaú e Bradesco também estão adotando medidas de contingenciamento para a entrada nas agências.

Os bancários também conquistaram a antecipação do 13º em vários bancos, como forma de garantir renda e ajuda aos familiares.

O Santander fechou parte das agências por localidade e colocou parte do quadro de funcionários em férias coletivas.

Todos os que estão com suspeita de terem contraído o vírus e os que tiveram contato com estes, foram liberados do trabalho e as unidades em que eles trabalham são higienizadas segundo as orientações das autoridades sanitárias, conforme acordado.

Os bancos também prometeram intensificar as campanhas de comunicação, inclusive na TV, sobre as medidas sanitárias de prevenção e as posturas sociais a serem tomadas para impedir , ou reduzir a propagação da doença.

Com informações da Contraf-CUT