Plenária Interestadual da CUT organiza Dia Nacional do Basta e reforça campanha Lula Livre

Sem título

Bancários de várias cidades do Estado participaram do evento.

O frio de inverno abaixo de 10 ºC não foi obstáculo. Com a cuia de chimarrão passando de mão em mão, mais de 500 dirigentes de entidades sindicais filiadas à CUT no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná participaram da Plenária Interestadual, realizada na manhã desta sexta-feira (13), em Porto Alegre. O evento começou no Teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, debatendo conjuntura nacional e organizando o Dia Nacional do Basta, que as centrais sindicais marcaram para o próximo dia 10 de agosto, e a atuação do movimento sindical na campanha Lula Livre e nas eleições de outubro.

Bom dia, presidente Lula

Antes de compor a mesa da plenária, a secretária de finanças da CUT-RS, Vitalina Gonçalves, chamou os presidentes das CUTs Estaduais para comandar o “Bom dia, presidente Lula”, a saudação diária da Vigília Lula Livre, em Curitiba, onde ele é preso político desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal, e que hoje ecoa em todo o Brasil.

Unidade na defesa da classe trabalhadora

O presidente em exercício da CUT-RS, Marizar Mello, abriu as manifestações dos dirigentes dos três estados do Sul do Brasil. “Temos que dialogar com a nossa base e fazer o enfrentamento com o capital. Só estamos aqui hoje porque o Brasil está vivendo um período de exceção na política.” Para Marizar, a expansão da crise econômica e o ataque às instituições comprovam a necessidade de união dentro da CUT para consolidar a candidatura de Lula nas eleições de outubro.

 

Eleger candidatos que representem os trabalhadores

O presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, afirmou que o sentido da organização das plenárias em todo o país é articular os dirigentes sindicais para formar opinião. “Nós somos o maior foco de resistência das organizações de trabalhadores no Brasil.”

Ele questionou as “derrotas” impostas à CUT por veículos da imprensa. “A nossa grande vitória é permanecermos unidos e eu espero que os trabalhadores e trabalhadoras tenham aprendido. Após a reforma trabalhista, espero que tenham reconhecido o valor do movimento sindical.”

Vagner salientou que “o Dia Nacional do Basta deve ser um dia de paralisação de uma hora, de duas horas, de três horas ou de 15 minutos, mas é de paralisação dos trabalhadores”. Ele frisou que “é preciso dizer qual é a nossa plataforma: luta pelo emprego, luta contra a carestia, mas também Lula livre, Lula presidente”.

O dirigente nacional da CUT denunciou que cerca de 90% dos parlamentares do Congresso Nacional foram financiados pelas instituições dos empresários. Vagner destacou a plataforma da CUT para as eleições de outubro, conclamando a eleição de candidatos que representem os trabalhadores. “Não queremos um Congresso do empresariado”.

“Clima está mudando na sociedade”

Analisando a conjuntura política, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Gilberto Carvalho, avaliou que a 84 dias das eleições a classe trabalhadora deve se preparar para eleger governos e parlamentares que garantam os seus direitos. “Certos partidos acham que estamos dividindo a esquerda ao não apoiar Ciro Gomes. Não. Nós vamos até o final com o ex-presidente. Vamos registrar Lula como candidato a presidente da República no dia 15 de agosto em Brasília”, disse.

Para Carvalho, a prisão de Lula ficou para a história como a última esperança de acabar com o apoio do ex-presidente. “O que nós assistimos foi um fato incrível, que desconcerta tanto a direita como a nós. Ele permaneceu no coração do povo. Então, não tem graça para eles terem feito todo esse golpe e ainda aparecer o 13 com o nome de Lula na urna”, assinalou.

 

Carta compromisso de Porto Alegre

O secretário-geral adjunto da CUT-RS, Amarildo Cenci, apresentou a Carta Compromisso de Porto Alegre. O texto ganhou o apoio de todos os participantes, além de alguns acréscimentos, durante as manifestações de dirigentes dos três estados.

O documento, cuja redação final será divulgada nos próximos dias, destaca a realização do Dia Nacional do Basta, no próximo dia 10 de agosto. “Basta de desemprego, basta de saque ás nossas riquezas, basta de reforma trabalhista, basta da PEC da Morte que destrói as políticas sociais de saúde e educação, basta de aumento no preço dos combustíveis, basta de rentismo, basta de desigualdades, basta de privatizações”.

A carta estabelece o dia 5 de agosto para panfletagens, colagens e atos de lançamento dos comitês sindicais Lula livre – Lula presidente. O sucesso do dia 10 de agosto nos motivará para campanha eleitoral.

 

Caminhada ao TRT-4

Às 13h, todos saíram em caminhada até o prédio do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, onde foi realizado um ato de protesto, marcando o Dia Nacional de Mobilização contra os desmandos do TRF-4 e do juiz Sérgio Moro.

A manifestação contou com a participação do presidente do PT-RS, deputado Pepe Vargas, e de representantes de movimentos sociais.

Com informações da CUT RS