Pelotas realiza ação em defesa do Banrisul

23846216_1968946439787456_1560220673_n

Foi realizada, no sábado (18), no calçadão de Pelotas, uma ação de panfletagem e coleta de assinaturas em defesa do Banrisul público. A ação começou às 10h e estendeu-se durante parte da tarde, com a presença do coordenador da Frente em Defesa dos Bancos Públicos da Assembleia Legislativa, deputado Zé Nunes, a diretora da Fetrafi/RS, Denise Corrêa, e diretores do Sindicato dos Bancários de Pelotas e Região.

O processo de venda do Banrisul, que deve se encerar em dezembro deste ano, foi anunciado pelo governador José Ivo Sartori, no dia 4 de outubro. A intenção do governo é entregar o patrimônio gaúcho para a iniciativa privada. Para tanto, Sartori diz que o Banrisul continuará sob controle público e defende a necessidade de obter recursos para fazer caixa e realizar o pagamento dos servidores em dia.

Embora o governo pretenda arrecadar R$ 3 bilhões, com a venda das ações, agentes do mercado estimam um rendimento entre R$ 1,5 e R$ 2 bilhões. Com o dinheiro da venda, o governo poderá cobrir pouco mais de uma folha salarial dos servidores estaduais. Além disso, o governo ficará com apenas 25,5% das ações totais do banco e 74,5 das ações estarão nas mãos de investimentos privados. Se um banco privado, como o Santander ou o Itaú, comprar estas ações, poderá adquirir outras de pequenos investidores e conquistar a maioria.

Dessa forma, o Banrisul terá de agir como qualquer banco que almeja apenas o lucro e abandona os clientes de menor poder aquisitivo. O impacto será sentido, também, no fechamento de agências em municípios de pequeno e médio porte, encerrar programas de crédito com juros mais baixo para a agricultura familiar, micro e pequenas.