FUNCEF: Fenae solicita esclarecimentos sobre a consulta do CNP 30

funcef (1)

Em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (1º), a Federação Nacional das Associações de Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) entrega ofício à Funcef solicitando maiores esclarecimentos sobre o conteúdo do estudo de viabilidade técnica para aplicação da Resolução do Conselho Nacional de Previdência Complementar de número 30 (CNPC 30) realizado pela Funcef. 
 
Na ocasião, a Fenae expõe os principais questionamentos feitos pelos participantes. Segundo o presidente da Fenae, Sergio Takemoto, por conta de muitas dúvidas dos participantes, a Fenae vê a necessidade de alongar o prazo da consulta para sanar todas as dúvidas. “As dúvidas são de todas as ordens. Além das questões jurídicas, tem bastante falta de compreensão sobre a medida, por isso, entendemos ser salutar o adiamento da consulta”, explicou Takemoto.
 
Para a diretora de Saúde e Previdência da Fenae, Fabiana Matheus, também presente na reunião, a Fenae já havia colocado em reuniões anteriores sobre a importância de um processo de sensibilização dos participantes em relação ao assunto. “O tema mexe com o presente e o futuro de milhares de pessoas e famílias. Por isso, precisa pegar as principais perguntas que estão circulando e respondê-las com maior precisão. Como a questão do equacionamento total do déficit, um ponto que está causando muitas dúvidas e precisa ser desmistificado”, ponderou a diretora da Fenae.
 
O presidente da Funcef, Gilson Costa de Santana, ressaltou que a demanda sobre a aplicação do CNPC 30 foi solicitada pelas entidades representativas, mas sinalizou estudar um ajuste no calendário, alterando o prazo do dia 8 de novembro (último dia da consulta) para ais adiante. “Estamos fazendo a consulta porque recebemos esta demanda de entidades representativas tanto dos ativos, quanto dos assistidos e por isso colocamos como prioridade dentro da pauta da Funcef. Mas, queremos aprimorar a comunicação para adequarmos as informações para sanar os questionamentos”, disse Gilson.

Fonte: Fenae