Bancários protestam contra retorno presencial no Banco do Brasil

nossas vidas também importam

A Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) é contrária ao comunicado interno divulgado pelo Banco do Brasil, na última quinta-feira (15), para informar que as funcionárias e os funcionários que estão em home office, e não pertencem ao grupo de risco, podem retornar ao trabalho presencial, de forma opcional, mesmo aqueles que ainda não se vacinaram ou completaram as duas doses do imunizante.

“Mesmo seguindo todas as regras e protocolos de distanciamento e higiene, não precisamos ir muito longe para saber que o trabalho presencial aumenta o risco de contaminação pela Covid-19”, ponderou Fernanda Lopes, secretária de Juventude e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) nas negociações com o BB. O Banco do Brasil se comprometeu a se reunir com o Sindicato Bancários de Brasília na próxima sexta-feira (24). “Até momento o BB não se reuniu com a Comissão de Empresa dos Funcionários. Enaltecemos a importância da reunião que ocorrerá na sexta, com o Sindicato de Brasília, mas continuamos cobrando uma reunião com os representantes de todo o país, pois afinal os problemas estão aumentando e cada vez mais de voluntário somente a fala do presidente”, completou Fernanda.

“A cada dia que passa, recebemos relatos do Brasil inteiro em que o fato de ser voluntario passou a ser uma nova forma do banco cobrar metas de volta de pessoas. Denúncias de gerentes gerais convocando indiscriminadamente funcionários na Ditec, em departamentos como Cenops e ainda alguns postando fotos falando que tem torta para comer. Chega à beira o ridículo essa postura da direção do BB. Os funcionários merecem mais respeito, através da vacinação e não de tortas”, finalizou.

Protesto e fiscalização em Brasília

Nesta segunda-feira (20), antes das 7h, diretores do Sindicato dos Bancários de Brasília e da Federação dos Bancários do Centro Norte (Fetec-CUT/CN) já se encontravam nos prédios administrativos em protesto contra a decisão do banco.

O objetivo dos protestos era buscar diálogo com os trabalhadores que foram pegos de surpresa na última quinta-feira (16), quando o banco divulgou comunicado interno informando que os bancários e bancárias que estão em home office, e não pertençam ao grupo de risco, poderiam retornar ao trabalho presencial de forma “voluntária” a partir da última segunda-feira.

Fonte: Contraf-CUT, com edição SEEB Pelotas e Região