Pela educação e pela vida: população de Pelotas volta às ruas pelo Fora Bolsonaro

foto6464

Nesta terça-feira, dia 13 de julho, a população de Pelotas volta às ruas pelo Fora Bolsonaro, à exemplo do que estará acontecendo em outras partes do país. A concentração está marcada para as 17h, no largo do Mercado, mantendo todas as medidas de segurança já adotadas nas manifestações anteriores, com distanciamento social, disponibilização de álcool em gel e distribuição de máscaras PFF2/N95.

Responsável pela organização das atividades, a Frente em Defesa do Serviço Público, das Conquistas Sociais e Trabalhistas de Pelotas ressalta que, no sábado, dia 24, está prevista mais uma manifestação, mantendo um cronograma permanente pela saída imediata de Jair Bolsonaro da presidência da República.

A população do município, que se orgulha de ter a UFPel entre as melhores do mundo, segundo levantamento da Quacquarelli Symonds (QS), condena os ataques do governo federal à educação, à vida e à ciência.

A mobilização tem se intensificado, pelo Brasil afora, após as denúncias de corrupção chegarem à CPI da Covid-19, por meio do depoimento do deputado Luis Miranda (DEM), que afirma ter uma gravação que comprovaria um esquema de corrupção envolvendo o presidente da República nas negociações para a compra da vacina Covaxin.

Em meio ao descaso com a saúde pública e as denúncias de corrupção, a desaprovação do governo Bolsonaro tem aumentado significativamente, chegando a 54%, no último dia 2 de julho, conforme divulgado pela pesquisa Exame/Ideia.

ATENÇÃO: Recomendações sanitárias:

  • Use máscara PFF2/N95 de forma adequada todo o tempo;
  • Permaneça no local apenas durante o ato, ao final colabore com a dispersão;
  • Se você teve contato recente com alguém com COVID-19, se tiver sintomas ou morar com alguém do grupo de risco, não vá a manifestação! Utilize as redes sociais para compartilhar nossas lutas;
  • Leve álcool em gel e use frequentemente;
  • Procure não tocar sua face;
  • Mantenha a distância, nao abrace ou beije ninguém;
  • Se monitore por 14 dias depois da manifestação e a qualquer sinal de COVID se isole e procure por locais de testagem.

Redação e foto: Eduardo Menezes / SEEB Pelotas, com informações da Frente em Defesa do Serviço Público, das Conquistas Sociais e Trabalhistas de Pelotas