Anvisa volta atrás e Butantan anuncia retomada de estudos da Coronav

Design sem nome (86)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, ontem, quarta-feira (11), a retomada do estudo clínico da vacina CoronaVac, uma das vacinas contra a covid-19 que estão em fase de testes no país, conduzidos pelo Instituto Butantan. A agência disse ter recebido novas informações sobre o “evento adverso grave” (EAG) que levou a Anvisa a suspender os estudos na última segunda-feira (9).

“Após avaliar os novos dados apresentados pelo patrocinador depois da suspensão do estudo, a Anvisa entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o EAG inesperado e a vacina”, informou a agência.

Por meio de nota, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, celebrou a autorização para retomada dos estudos e destacou que o óbito de um voluntário dos estudos — o que foi considerado como um EAG — não teve relação com a vacina.

Em coletiva realizada na terça, Covas afirmou que o evento foi reportado detalhadamente à Anvisa no último dia 6 e classificou a decisão da Anvisa como precoce. Ele também ressaltou que os dados foram enviados à Anvisa dentro dos protocolos determinados pela agência reguladora e pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), com todas as informações exigidas para o esclarecimento e para evitar a necessidade de paralisação do estudo.

Segundo o Butantan, o voluntário teria recebido a dose no dia 29 de outubro, 25 dias antes de o evento adverso acontecer. Covas disse ainda que o Butantan não sabe se o voluntário, que era paciente do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, tomou a vacina ou o placebo (uma substância que não apresenta interação ou efeito no organismo).

Fonte: Sul 21, com informações da Agência Brasil

Arte: Seeb Pelotas