Mulheres de Pelotas pedem justiça por Mariana Ferrer

Captura de Tela 2020-11-09 às 20.56.30

O final de semana, em Pelotas, foi marcado por dois atos – no sábado (7) e no domingo (8) – exigindo o fim da violência contra a mulher e clamando por justiça para Mariana Ferrer. As manifestações, que ocorrem em todo o país, denunciam a complacência da Justiça brasileira, após o empresário André de Camargo Aranha ter sido inocentado da acusação de estupro, em Santa Catarina, com a alegação de “não ter tido a intenção” de violentar a vítima.

Na mesma semana dos protestos pedindo justiça para Mariana Ferrer, a Região Sul do Estado tomou conhecimento da morte de Simone Souza, que foi brutalmente assassinada, na Praia do Cassino, em Rio Grande, após sofrer violência sexual.

As pelotenses estiveram reunidas, no Largo do Mercado, e conversaram com a população, distribuindo panfletos e realizando intervenções, para alertar a cidade do machismo cotidiano, que atinge as mulheres não apenas fisicamente, mas, também, de forma psíquica, refletindo-se na vida privada e no mercado de trabalho.

Para Francisca Jesus, mestranda em História pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), o primeiro passo para combater a violência contra a mulher é denunciar. “Cada vez que um de nós se cala diante de algum tipo de violência, nós estamos colaborando com essa violência”, disse. “Vamos levantar a nossa voz. Não podemos nos calar. Nós, mulheres, estamos morrendo. Não vamos mais permitir que isso aconteça”, ressaltou.

Redação: Sindicato dos Bancários de Pelotas

Foto: 8M Pelotas