“É uma eleição sem clima de eleição”, aponta Cientista Político

www.radiocom.org.br (1)

Certamente os pelotenses têm notado muitas diferenças entre a campanha eleitoral, deste ano, e as que tomaram as ruas e os meios de comunicação, em períodos anteriores. A avaliação do cientista político Renato Della Vechia, é de que esse processo eleitoral está sendo atípico, já que, devido à Pandemia, as eleições municipais, de modo geral, passam por um momento singular, não só nas ruas, mas também na mídia.

Na opinião do cientista político, ainda não é possível saber o que, exatamente, irá representar todas as mudanças que se configuram com este processo eleitoral, mas já é perceptível que muita coisa mudou. “As pessoas não têm se dado conta de que existe horário eleitoral gratuito; não há comícios, nem atividades massivas de campanha e quase não se vê carro de som, nas ruas”, exemplifica.

Mudanças influenciam

Segundo Renato, essas mudanças não representam uma alteração apenas nos costumes e na cultura política, do processo eleitoral, uma vez que tendem a influenciar no resultado das eleições. Conforme explica o pesquisador, em um contexto como o de hoje, em que passamos por uma grave crise sanitária, que restringe uma série de atividades políticas e de militância, aqueles candidatos mais conhecidos, entre os eleitores, ou com maior habilidade para lidar com a dinâmica das redes sociais, levam vantagem em relação aos seus adversários.

“Nomes que já são fortes, na sociedade, ou que souberem usar melhor os novos instrumentos de mídia, como as redes sociais, tendem a se destacar no processo eleitoral, e isso é ruim, porque, assim, não ficam explicitadas todas as diferenças dos projetos políticos que estão em disputa, e muitos vão ficar sem canais de discussão”, analisa Renato.

Ausência de debates

O cientista político alerta, sobretudo, para a ausência de debates, mesmo em um período de forte polarização política, à nível nacional. “Não está sendo possível visualizar essa polarização, aqui, em Pelotas, já que os poucos segundos que algumas candidaturas têm, na televisão, impede o aprofundamento de algumas questões”, aponta. Além disso, ele critica a ausência de debates, na grande mídia. “A ausência dos debates enfraquece a disputa eleitoral, levando à uma situação de apatia política na cidade”.

Della Vechia sugere, ainda, que é importante que a própria sociedade civil – e outros meios alternativos – se organizem, de forma coletiva, para proporcionar o confronto de ideias. “Caso isso não ocorra, a gente vai ter uma eleição em que as pessoas vão estar votando sem muita clareza do significado de cada um dos projetos que estão colocados para disputa”, ressalta.

Entrevistas com os candidatos

A RádioCom, 104.5 FM, de Pelotas, emissora comunitária da cidade, cujo Sindicato dos Bancários é um dos mantenedores, está realizando entrevistas diárias, desde a última segunda-feira (19), com os candidatos à Prefeitura de Pelotas. Acompanhe a emissora pelas redes sociais e pelo site: www.radiocom.org.br

Seeb Imprensa Pelotas

Arte: Seeb Pelotas