Banco do Brasil quer retirar direitos dos funcionários

Captura de Tela 2020-08-16 às 13.28.08

Fim das metas abusivas e Gestão de Desempenho Profissional geraram os maiores debates entre o banco e a representação dos trabalhadores, que convoca protesto para esta segunda-feira (17)

Na reunião entre a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e o banco, ocorrida na manhã da última sexta-feira (14), por videoconferência, o debate sobre a cobrança de metas abusivas e a Gestão de Desempenho Profissional (GDP) foram os temas que geraram o maior debate na mesa de negociações dos temas relacionados à saúde e condições de trabalho.

As negociações com o Banco do Brasil fazem parte da Campanha Nacional dos Bancários 2020 e da renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) dos funcionários. O banco levantou a possibilidade de reduzir o prazo de observância de três para apenas um ciclo de avaliação para retirada da comissão de função.

Uma primeira atividade contra a possibilidade de o Banco do Brasil retirar direitos será realizada nesta segunda-feira (17), às 14h. Os funcionários serão convidados a trabalharem (em casa ou in loco) e a postarem fotos vestidos de preto com a hashtag #Sem3GDPSemAcordo.

Próximas reuniões

As próximas reuniões com o banco ocorrerão nesta segunda-feira (17). Das 14h às 16h, o debate girará em torno das reivindicações sobre Igualdade de Oportunidades e demais Cláusulas Sociais, como parte das negociações da Campanha Nacional. Em seguida, a partir das 16h, será realizada uma mesa de negociações específica para tratar de questões relacionadas às medidas de prevenção à Covid-19.

Com informações da Contraf-CUT