Chefe da milícia do Escritório do Crime transferiu R$ 400 mil para conta de Queiroz

adriano-nobrega-era-acusado-de-chefiar-milicia-no-rio-de-janeiro-1581346017173_v2_976x549

As transferências bancárias de Adriano da Nóbrega constam nos documentos judiciais que embasaram o decreto de prisão preventiva de Queiroz

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz recebeu mais de R$ 400 mil reais em transferências bancárias efetuadas por Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, chefe da milícia do Escritório do Crime, aponta o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). As informações integram documentos judiciais que embasaram o decreto de prisão preventiva de Queiroz. A reportagem é desta sexta-feira (19), do portal UOL.  

Adriano foi morto no dia 9 de fevereiro deste ano durante uma troca de tiros com a polícia na Bahia. O miliciano estava localizado numa área rural do estado, na cidade de Esplanada. 

O MP-RJ também aponta que restaurantes administrados por milicianos depositaram pelo menos R$ 69,5 mil nas contas bancárias de Queiroz, acrescenta a reportagem.   

Em novembro do ano de 2019, após o Supremo Tribunal Federal (STF) garantir o andamento das investigações sobre os esquemas de rachadinha envolvendo assessores de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz pediu que a mãe do Capitão Adriano, Raimunda Veras Magalhães, permanecesse escondida no interior de Minas Gerais. Raimunda estava lotada no gabinete do filho “01” de Jair Bolsonaro, até então deputado estadual, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).   

Fonte: Brasil 247