Lucro recorde contrasta com a desigualdade

desigualdade1

No Brasil, enquanto os bancos batem recorde de lucro a cada ano, o povo precisa se virar para conseguir sobreviver. O salário do brasileiro está cada vez mais achatado com o alto custo de vida. A retirada de direitos também reflete no rendimento das famílias, assim como o desemprego. Uma realidade muito diferente das famílias que comandam o sistema financeiro. 

Os dados mostram. O Santander, primeiro a divulgar o resultado de 2019, obteve lucro líquido de R$ 14,5 bilhões, crescimento de 17% ante 2018. O Bradesco não ficou para trás, com ganho de R$ 25,9 bilhões, 20% a mais do que no ano anterior.  

O cenário de bonança do setor bancário é para pouquíssimos. No Brasil, milhões têm de se virar com um salário mínimo (R$ 1.045,00). Outros milhões nem chegam a ganhar isso. Um quadro que mostra o tamanho da desigualdade do país. Um estudo divulgado recentemente pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) mostra que a diferença de renda bate recorde.

Enquanto o rendimento da metade mais pobre da população caiu cerca de 18% desde 2014, somente o 1% mais rico teve quase 10% de aumento no poder de compra. Apenas em 2015, a pobreza subiu 19,3% no Brasil, com 3,6 milhões de novos pobres.

Com informações Sindicato dos Bancários da Bahia