Emboscada do rotativo fisga os desempregados

4412838695b20f441cddbb

A crescente perda de postos de trabalho resultante de política neoliberal tem feito muitas pessoas utilizarem mais o rotativo do cartão de crédito, quando o consumidor paga um valor menor do que o integral da fatura. Quem tem alta escolaridade faz usa menos. Os trabalhadores que perderam o emprego e beneficiários de programas sociais são os que mais caem na armadilha.

A pesquisa do Banco Central mostra que o cidadão com ensino superior deve na modalidade à vista ou parcelado com o lojista, 61%. Seguido do rotativo regular (25%), parcelado (23%) e rotativo não regular (3%). A soma é superior a 100% porque um consumidor pode ter dívidas em várias modalidades ao mesmo tempo.

Os que devem apenas na modalidade à vista ou parcelada com o lojista (71,4%) têm emprego formal. Outros 2,1% recebem seguro-desemprego, 12,9% não recebem seguro ou Bolsa Família e 19,9% são beneficiários do programa Bolsa Família.

Ao todo, 49,9 milhões de consumidores estão na carteira ativa de cartão de crédito. Segundo o BC, consumidores com mais idade, renda alta e alto nível de instrução pagam taxas ainda menores porque representarem risco menor. Incoerência.

Os bancos que diferenciavam taxas de juros para adimplentes e inadimplentes, agora não podem mais fazê-lo. A partir deste mês, o CMN (Conselho Monetário Nacional definiu que as cobranças devem ser equiparadas entre os clientes regulares e irregulares.

Fonte: SBBA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *