Bancários do Bradesco são feitos reféns e continuam trabalhando me São Paulo

agencia_bradesco_assaltada_bancarios_refens_trabalhando

Imagine você ser feito de refém em um assalto a uma agência bancária, sofrer ameaças com armas de fogo, e ainda assim ter de voltar ao trabalho e continuar com suas atribuições como se fosse um dia normal. Foi essa situação absurda que enfrentaram bancários de uma agência do Bradesco na Grande São Paulo.

O assalto ocorreu por volta das 11h30. Bancários foram feitos reféns, ameaçados, passaram por uma situação de grande estresse. Pelo menos até as 17h30 os funcionários ainda estavam trabalhando, mesmo com a agência fechada. Faziam, inclusive, a verificação das máquinas do autoatendimento, roubadas no momento do abastecimento. Após o assalto, um dos trabalhadores precisou de atendimento médico e o SAMU foi acionado. Outro desmaiou. Os assaltantes fugiram do local antes da chegada da polícia.

A Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários assegura que, no caso de assaltos, todos os bancários devem ter assegurado o direito a atendimento médico e psicológico. É inadmissível que continuem trabalhando. É a saúde dos trabalhadores que está sendo colocada em risco. Além disso, é obrigação do banco emitir a CAT a todos os trabalhadores que foram vítimas do assalto.

CAT – A Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) é um documento que serve para reconhecer um acidente de trabalho ou uma doença ocupacional, como é o caso de um trauma psicológico desenvolvido após o empregado passar por um assalto no local de trabalho. É obrigação do empregador emitir o documento, imprescindível para dar entrada em pedidos de afastamento pelo INSS. Caso a empresa se negue, o trabalhador pode requisitá-lo nos centros de referência em saúde do trabalhador ou no Sindicato (3188-5200).

Com informações do Sindicato dos Bancários de SP
Foto: Rudy van der Veen / Good Free Photos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *