Nova lei dificulta amamentação, afirma especialista

reforma_trabalhista_amamentacao

Segundo pesquisadora, os desafios de se manter amamentando após a licença maternidade são maiores com a nova legislação trabalhista

No Brasil, a licença maternidade é de 4 meses, podendo, em alguns lugares, chegar a seis, que é o tempo, segundo a Organização Mundial de Saúde, que o bebê precisa de amamentação exclusiva.

A volta ao trabalho e a consequente falta de apoio podem ser obstáculos. Na opinião da economista e pesquisadora da Sempreviva Organização Feminista, Marilane Texeira, os desafios de se manter amamentando com a nova legislação trabalhista são maiores. O que antes era garantido pela CLT, como por exemplo os intervalos para amamentação, podem ser objeto de negociação entre as trabalhadoras e empregadores.

Segundo as Nações Unidas, aumentar as taxas de amamentação para crianças menores de seis meses de vida para 90% no Brasil, poderia cortar custos de tratamento ou doenças comuns na infância, como pneumonia, asma e diarreia. O sistema de saúde brasileiro economizaria 6 milhões de dólares com essa ação.

 

Fonte: SEEB SP
Foto: Marcelo Camargo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *